Entrevistas

A importância da UFCG para Campina

 

Entrevista com o Reitor da Universidade Federal de Campina Grande, Prof. Thompson Fernandes Mariz

A estrutura física da UFCG em Campina Grande atende às necessidades da instituição?

O campus sede da Universidade Federal de Campina Grande funciona em instalações que tiveram sua construção iniciada na década de 60 para acomodar uma pequena escola de engenharia, a Escola Politécnica. No início da década de 70, sem seguir um planejamento pré-estabelecido, absorveu as instalações da Faculdade de Ciências Econômicas de Campina Grande, construída em terreno vizinho à Escola Politécnica, tendo sido construídos, em meados da década de 70, com o programa PREMESU – MEC/BID, novos prédios, para abrigar o Centro de Ciências e Tecnologia – CCT, o que foi feito de acordo com diretrizes de um plano diretor então elaborado.

Em decorrência do processo de expansão da Instituição, as poucas áreas livres foram sendo ocupadas com laboratórios, salas de aula e outros ambientes acadêmico-administrativos, construídos para acomodarem o desenvolvimento de pesquisas e a instalação de novos cursos, de tal forma que os 30,885 hectares do campus universitário já não são suficientes para a edificação de novas instalações.

Assim, a principal necessidade, em termos de estrutura física do campus de Campina Grande, é a aquisição de terreno para dar suporte a sua ampliação.

Apesar da significativa ampliação ocorrida na estrutura física do campus sede da Universidade Federal de Campina Grande, ainda há muito que se fazer para atingir as condições ideais para o pleno funcionamento de suas atividades. A este respeito, reconhecemos a necessidade de construir Centros de Vivência, Anfiteatros, Museus, um prédio para o funcionamento da Reitoria, dentre outros equipamentos, além de reconhecermos a necessidade de urbanizar o setor, com paisagismo, sinalização, acessibilidade irrestrita, etc.

Em média, qual é o número de alunos e quantos servidores a UFCG emprega?

Atualmente a Universidade Federal de Campina Grande tem cerca de 17.800 alunos matriculados em 68 cursos de graduação e em 21 programas de pós-graduação, que oferecem 20 cursos de mestrados, sendo 17 acadêmicos e 3 profissionais, e 11 cursos de doutorado.

Para dar suporte a todas as atividades de ensino, pesquisa e extensão, bem como às atividades administrativas desenvolvidas pela Instituição, o seu quadro de pessoal conta com 1.409 docentes, 1.563 servidores técnico-administrativos, além de um quadro de cerca de 700 servidores  terceirizados.

Deste total, 749 docentes, 1.188 servidores técnico-administrativos e 312 servidores terceirizados estão lotados no campus de Campina Grande.

A Universidade Federal de Campina Grande ampliará o seu quadro de pessoal tão logo o Ministério do Planejamento autorize o provimento dos cargos pactuados com o Ministério da Educação por ocasião do Programa de Apoio a Planos de Reestruturação e Expansão das Universidades Federais – REUNI. Esta ampliação prevê a nomeação de 32 docentes e cerca de 40 servidores técnico-administrativos.

De quanto é o orçamento da UFCG para 2012 e como estes recursos serão aplicados?

O orçamento destinado à Universidade Federal de Campina Grande no exercício 2012 é de aproximadamente R$ 450.000.000,00 (quatrocentos e cinquenta milhões de reais) apenas para a manutenção dos cursos de graduação e da folha de pagamento de servidores ativos e aposentados, além dos pensionistas. Neste montante, não se inclui os recursos captados pelos projetos de pesquisas do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico - CNPq, da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior – CAPES, da Financiadora de Estudos e Projetos – FINEP, entre outras agências, nem os recursos dos diversos projetos apresentados ao Fundo Setorial de Infraestrutura – CT-INFRA.

A forma como será investido o orçamento de 2012 é motivo de planejamento realizado pela Administração Central, ouvidos os Diretores de Centro, o que está sendo realizado neste momento. Mas, seguramente, podemos informar que novas instalações, a exemplo de blocos de sala de aula e de laboratórios, complexos esportivos, centros de vivência, serão construídas, assim como serão realizadas reformas, com vistas à ampliação de estruturas que já não comportam mais o crescimento institucional, a exemplo do Restaurante Universitário, do Ginásio de Esporte e do Posto Médico do campus de Campina Grande. Também serão adquiridos equipamentos para o aparelhamento dos novos ambientes, quer seja sala de aula, laboratório, residência ou restaurante universitários.

Qual é a média salarial dos servidores da UFCG?

A folha de pagamento da Universidade Federal de Campina Grande, no orçamento 2012, está fixada em R$ 356.642.414,00 (trezentos e cinqüenta e seis milhões, seiscentos e quarenta e dois mil e quatrocentos reais), podendo ocorrer suplementações para dar suporte a possível crescimento vegetativo, em decorrência de aposentadorias, pensões e auxílios, ou a ampliação do quadro de pessoal. Os salários de servidores técnico-administrativos variam de R$ 1.034,59 a R$ 5.649,85, enquanto os salários dos docentes variam de R$ 1.536,46 a R$ 11.755,05. Cerca de 65% da folha de pagamento da Universidade Federal de Campina Grande corresponde aos salários de docentes e servidores técnico-administrativos lotados no campus de Campina Grande.

Em termos percentuais, quanto a UFCG investe na economia local para a aquisição de produtos e serviços?

No exercício 2011, a Universidade Federal de Campina Grande investiu R$ R$ 68.911.426,00 (sessenta e oito milhões, novecentos e onze mil e quatrocentos reais) na aquisição de produtos e serviços. Deste valor, R$ 36.769.316,00 (trinta e seis milhões, setecentos e sessenta e nove mil e trezentos e dezesseis reais) foram em verbas de custeio, destinados a aquisição de serviços e consumo, e R$ 32.142.110,00 (trinta e dois milhões, cento e quarenta e dois mil, cento e dez reais) em verbas de capital, para a aquisição de equipamentos e material permanente, bem como para a edificação de novas instalações. Deste total, cerca de 60% correspondem a bens e serviços adquiridos em Campina Grande.

As empresas locais conseguem participar dos processos de licitação da UFCG?

A legislação que regulamenta a aquisição de bens e serviços pela administração pública (Lei Nº. 8.666, de 21 de junho de 1993, que trata de licitações e contratos administrativos), primando pela transparência, lisura e livre concorrência, não permite ao gestor escolher a empresa com a qual irá contratar serviços nem com a que vai lhe fornecer material de consumo ou permanente. Sobretudo a partir do advento do Pregão Eletrônico, empresas de todo o país participam das licitações realizadas pela Universidade Federal de Campina Grande. A despeito deste contexto, 90% das obras contratadas no campus de Campina Grande estão sob a responsabilidade de empresas locais, que também estão conduzindo a construção de cerca de 60% das obras realizadas nos campi fora de sede, o que implica em um incremento significativo, relativo à construção civil, no Município.

Quase a totalidade dos contratos realizados para a prestação de serviços na Universidade Federal de Campina Grande ocorre com empresas locais, o mesmo não ocorrendo com a aquisição de material de consumo e de material permanente, visto que 85% das aquisições são realizadas em empresas oriundas de outras localidades do país.

Quantos cursos existem em nossa cidade e qual é o número de alunos matriculados?

No campus de Campina Grande são oferecidas vagas de ingresso em 31 cursos de graduação, sendo eles:

- arquitetura e urbanismo

- ciência da computação

- desenho industrial

- física (bacharelado e licenciatura)

- matemática (bacharelado e licenciatura)

- meteorologia

- engenharia agrícola

- engenharia civil

- engenharia elétrica

- engenharia mecânica

- engenharia de alimentos

- engenharia de materiais

- engenharia de minas

- engenharia química

- engenharia de produção

- estatística

- engenharia de petróleo

- enfermagem

- medicina

- psicologia

- administração

- ciências econômicas

- ciências sociais (bacharelado e licenciatura)

- comunicação social

- historia (licenciatura)

- letras

- musica (bacharelado e licenciatura)

- pedagogia

- filosofia (bacharelado e licenciatura)

- geografia (licenciatura)

- arte e mídia

Qual é o perfil do alunado (por idade, sexo, cor, origem social) e, em média, quantos são de Campina Grande?

Atualmente a Universidade Federal de Campina Grande tem 14.675 alunos regularmente matriculados em cursos de graduação oferecidos nos seus sete campi, sendo 6.706 do sexo masculino e 7.969 do sexo feminino. Deste total, 7.289 não declararam a etnia; 3.592 se declaram de etnia branca; 3.091 se declaram pardos; 470 são de etnia negra; 202 se declaram de etnia asiática e 31 de etnia indígena. O questionário sócio-econômico que os candidatos respondem quando se inscrevem para concorrer a uma vaga na Universidade Federal de Campina Grande revela que 32% dos nossos alunos pertencem à classe social cuja renda familiar gira em torno de 2 salários mínimos; 42% pertencem a famílias que vivem com até 4 salários; 22,14% se encontram entre os que têm renda de até 6 salários; e apenas 3,06 têm renda familiar acima de 7 salários mínimos.

A maioria destes alunos (79,5%) se encontra na faixa etária de 18 a 24 anos, 20% estão na faixa etária de 25 a 31 anos e apenas 0,5% têm menos de 18 anos. Deste total, 7.188 alunos estão vinculados aos cursos de graduação oferecidos no campus de Campina Grande.

Quais são os cursos mais concorridos da UFCG?

Os cursos mais concorridos da Universidade Federal de Campina Grande, no processo de seleção que definirá o ingresso em 2012, foram os seguintes:

- Medicina, em Campina Grande, com 111,74 candidatos por vaga;

- Medicina, em Cajazeiras, com 93,83 candidatos por vaga;

- Arquitetura e Urbanismo, em Campina Grande, com 32,83 candidatos por vaga;

- Administração, em Campina Grande, com 31,52 candidatos por vaga;

- Psicologia, em Campina Grande, com 29,41 candidatos por vaga;

- Direito, em Sousa, com 28,65 candidatos por vaga;

- Engenharia Civil, em Campina Grande, com 26,88 candidatos por vaga;

- Odontologia, em Patos, com 25,37 candidatos por vaga;

- Enfermagem, em Campina Grande, com 21,59 candidatos por vaga.

Qual tem sido o papel da UFCG no desenvolvimento de Campina Grande?

A existência de uma universidade federal em uma cidade do interior, de per si, já tem grande significado, visto que, de imediato, representa a oportunidade dos jovens da região ingressarem no ensino superior público, gratuito e de qualidade, o que lhes assegura maiores chances para o sucesso profissional. Além disso, a presença de uma universidade também significa a possibilidade de desenvolver os setores produtivos do município, uma vez que contribui com a formação de recursos humanos, a partir das atividades de pesquisa e extensão científico-tecnológica que esta universidade venha a produzir. José Murari Bovo, professor da Universidade Estadual de São Paulo, no final de 2007 defendeu tese de doutorado em que demonstra os impactos econômicos e financeiros da UNESP para os municípios. Neste estudo, Murari Bovo conclui que, em média, a implantação de um campus universitário em cidades de médio porte implica em um aumento de cerca de 30% a mais de ICMS.

Precisar o impacto econômico e financeiro que a Universidade Federal de Campina Grande tem sobre o desenvolvimento de Campina Grande certamente exigiria um estudo sócio-econômico mais acurado, haja vista haver instaladas duas universidades públicas na cidade há décadas. No entanto, tendo por base o estudo de Murari Bovo e levantamentos recentes realizados nos municípios de Cuité, Sumé e Pombal, municípios em que foram implantados campi da Universidade Federal de Campina Grande, podemos afirmar seguramente que a presença de uma universidade impacta muito significativamente a economia local, sem falar no desenvolvimento da ciência, da tecnologia, da cultura e da arte.

Em Cuité, por exemplo, a arrecadação de tributos, saiu, em 2005, ano da implantação do campus universitário, de R$ 1.184.942,23 (um milhão, cento e oitenta e quatro mil, novecentos e quarenta e dois reais e vinte e três centavos) para R$ 2.152.836,42 (dois milhões, cento e cinqüenta e dois mil, 836 reais e quarenta e dois centavos), em 2010. Analisando os dados contábeis do município de Pombal disponibilizados no site da Secretaria do Tesouro Nacional, verifica-se que a arrecadação do município cresceu 113,2% entre o ano de 2006, quando o campus foi implantado, e o ano de 2010: a receita tributável saiu de R$ 652.079,07 (seiscentos e cinqüenta e dois mil, setenta, setenta e nove reais e sete centavos), em 2006, para R$ 1.390.172,51 (um milhão, trezentos e noventa mil, cento e setenta e dois reais e cinqüenta e um centavos), em 2010, evidenciando uma tendência crescente de contribuição para o crescimento e desenvolvimento de Pombal e cidades circunvizinhas.

Não foi diferente em Sumé. Também de acordo com a Secretaria do Tesouro Nacional, a arrecadação do município de Sumé cresceu 45% no ano em que o campus foi inaugurado. Considerando-se que desde 2004 a receita tributária mantinha-se relativamente estável, em torno de R$ 600.000,00 (seiscentos mil reais), é inegável que o aumento em 2009 está relacionado à instalação da Universidade Federal de Campina Grande na cidade. É importante ressaltar que a arrecadação de impostos de produção e circulação (ICMS, ISS, IPI e IOF) cresceu 48% no mesmo ano, ao passo que a arrecadação de impostos sobre a renda e os proventos, que vinham caindo desde 2006, deu um salto de 50%.

Cite projetos importantes que foram ou estão sendo gerados na UFCG, em benefício da sociedade.

A Universidade Federal de Campina Grande tem dado suporte ao surgimento de inúmeros empreendimentos em Campina Grande, o que é intermediado pela Fundação Parque Tecnológico da Paraíba – PaqTcPB, por meio de suas incubadoras que já propiciaram o surgimento de muitas empresas bem sucedidas na cidade, nos seus mais diversos setores produtivos.

É sabido que Campina Grande é grande produtora de software para exportação, destacando-se, neste cenário a empresa LIGHT INFOCON TECNOLOGIA, cuja origem está relacionada às pesquisas desenvolvidas na Universidade Federal de Campina Grande. A empresa APEL - APLICAÇÕES ELETRÔNICAS LTDA, que hoje é líder no mercado nacional no setor de Sonorização Ambiente, Sistemas Multimídia, Sistemas de Segurança e Informação ao Público, é outro exemplo de empreendimento que tem suas raízes na Universidade Federal de Campina Grande. Todavia, Campina Grande carece de novos vetores de desenvolvimento para construir uma matriz desenvolvimentista voltada para os negócios contemporâneos. Um desses vetores pode ser as mídias, nas suas mais variadas vertentes: cinema, teledramaturgia, jogos digitais, sistemas de informações, telecomunicações, entre outros.

Pensando sob este ponto de vista, a Universidade Fedral de Campina Grande vislumbra a possibilidade de construir um novo campus na cidade de Campina Grande, de preferência no bairro Álvaro Gaudêncio (Malvinas), para implantar um Centro de Artes, para abrigar cursos já existentes, como o de Artes e Mídia, o de Música, o de Comunicação Social, e o de Desenho Insdustrial, bem como outros cursos a serem ainda criados, a exemplo de Cinema, Fotografia, Moda, Teatro e Design Digital. Esta é uma forma de conjugar educação superior e desenvolvimento a um só tempo, em Campina Grande: atrelar à formação de pessoas altamente qualificadas a geração de negócios focados na indústria cinematográfica.

A criação de um Centro de Artes, que comportará um Centro de Convenções e um Centro de Educação a Distancia, fará com que a cidade passe a ter espaços para a formação de profissionais que a contemporaneidade exige, ou seja: profissionais capazes de gerar um setor produtivo baseado no desenvolvimento sustentável, que não demande recursos hídricos e energéticos em escala que a região não dispõe. Esse projeto visa, além da formação de profissionais de alto nível, criar oportunidades na área das artes, associando as tradições culturais da Paraíba ao desenvolvimento econônico, para garantir a jovens talentos a oportunidade de desenvolver suas potencialidades e enraizar uma matriz de desenvolvimento que a região carece para acompanhar o desenvolvimento do País.

Quais são os desafios e projetos da universidade, a partir de 2012?

A Universidade Federal de Campina Grande deve, a partir de 2012, dar prosseguimento ao seu processo de expansão, visto que, apesar de a Paraíba já exibir números favoráveis no que diz respeito à relação habitantes/vagas de ensino superior público, ainda é grande a parcela da população, na faixa etária de 18 a 24 anos, que não tem acesso ao nível superior de ensino. Além disso, a Instituição continuará trabalhando no sentido de consolidar a expansão já verificada, observando as carências que precisam ser supridas, em termos de infraestrutura e de recursos humanos, o que demanda ações no Ministério da Educação, para continuar promovendo, com a competência que lhe é peculiar, o desenvolvimento da ciência, da tecnologia, da arte e da cultura.

Como a UFCG pode contribuir no planejamento estratégico de Campina Grande para os próximos 20 ou 30 anos?

O planejamento estratégico é um importante instrumento de gestão e constitui uma das mais importantes funções administrativas, uma vez que orienta as tomadas de decisão, no sentido de se assegurar uma agenda pró-ativa para o desenvolvimento do município. Para ser factível, um planejamento estratégico exige a elaboração de um diagnóstico minucioso que permita municiar, de informações, a equipe responsável pelo estabelecimento de metas e objetivos a serem alcançados, o que, em se tratando de uma cidade do porte de Campina Grande, não é tarefa nada fácil.

A Universidade Federal de Campina Grande, dada a sua capacidade de desenvolver e articular dinâmicas de ensino, pesquisa e extensão, envolvendo as mais variadas áreas do conhecimento humano, é oficina de produção de massa crítica, capaz de refletir teoricamente, de gerar metodologias, de experimentar processos, de desenvolver produtos, de criar tecnologias, enfim, de interpretar e transformar realidades. Logo, está capacitada para auxiliar o poder público na elaboração de um planejamento estratégico para Campina Grande, sobretudo porque, ao longo da sua história, a inclusão social e o desenvolvimento econômico da região sempre estiveram em destaque nos seus projetos e ações.

Como o Senhor vê a proposta do projeto CAMPINA CRESCE COM VOCÊ?

CAMPINA CRESCE COM VOCÊ é uma iniciativa arrojada e inteligente que só poderia ser criado e conduzido por pessoas, tal como explicitado no texto que apresenta o projeto, “que amam Campina Grande e querem para ela o melhor presente e o melhor futuro, não se satisfazendo em apenas sonhar, mas em realizar”.

Orientar o debate que vai permitir a construção do futuro de Campina Grande é tarefa que vai requerer perseverança e obstinação, pois não é fácil fazer confluir em síntese um debate propositivo que pretende lançar metas para o desenvolvimento da cidade, em todas as suas esferas: esse é o desafio de um planejamento estratégico, que não se constrói a partir de ações isoladas, por mais bem intencionadas que sejam.

Acredito que o projeto CAMPINA CRESCE COM VOCÊ é um importante mecanismo para organizar a sociedade civil para dialogar com os poderes públicos instituídos, visto que um projeto de tamanha magnitude não pode ser gestado sem a participação destes.

Acredito na proposta do CAMPINA CRESCE COM VOCÊ e almejo participar, como educador, como gestor público e como cidadão, da sua realização e do seu sucesso!

Por: Fernando Soares

 

Comentários 0
Preencha os seus dados, e clique no botão Enviar. A sua opinião passará por uma aprovação antes de ser publicada.



 

Preencha os campos acima e seja o primeiro a comentar!